Quando pessoas viram coisas, cabeças viram degrau



 Faz um tempo que eu venho querendo escrever esse texto, hoje me senti ainda mais inspirada para escreve-lo de todo meu íntimo, pois isso é muito pessoal.


 Essa frase não se aplica para todos, mas para a grande maioria daqueles que de alguma forma tentam ajudar e potencializar pessoas sem de fato, precisar ou querer algo em troca. Ah esperamos sim, esperamos integridade! Ahhhhhh, integridade, conhece?! É algo raro nos dias de hoje. As pessoas andam muito preocupadas com o beijo LGBTTXSSDE;-) da TV, com esquerda e direita, com o creme que irão usar, como que o padre ou pastor disse, com a roupa para colocar (afinal a roupa pode expressar sua personalidade), mas não se preocupam em medir, mudar e aprimorar seus comportamentos e ter um mínimo de integridade.


Eu não falo isso pelas pessoas que atendo, na realidade, elas são os seres humanos mais íntegros e evoluídos que eu já conheci, elas me buscam para auxiliá-las nisso tudo acima que escrevi. Buscam ser seres melhores e mais desenvolvidos.

No caso das empresas a mesma coisa. Tem empresário que me procura para desenvolver suas equipes, lhe proporcionarem a oportunidade de aprimorar-se naquilo que fazem, sem necessidade de substituição. E acredite, tem gente que acha que isso é obrigação da empresa (risos).


 Nos últimos quatro anos, eu venho percebendo que fazia até hoje, muita coisa para o outro (pessoal mesmo), e que em alguns casos não recebia nem gratidão e nem integridade. Algumas pessoas me disseram que o diálogo era uma dificuldade, mas sinceramente, eu acredito que é falta de vontade, porque quando queremos algo, simplesmente buscamos, desenvolvemos e fazemos (simples assim, se você não tem nenhum transtorno grave ou limitação física).


 Escrevendo da perspectiva de quem foi degrau, é legal saber que você segura certo peso de hipocrisia e falta de ética por um tempo. Acaba compreendendo que quando torna-se coisa, ou sempre foi coisa, serve como degrau. O mais engraçado, é que as pessoas, muitas vezes não percebem isso (quem caminha sobre o degrau) elas acham a coisa mais normal do mundo, que você tem que dar tudo para elas, e que, se em algum momento, alguma situação torna-se mais complexa e você não dá mais, por algum motivo qualquer, tu te tornas um degrau.



 Usando o Mindset de crescimento sobre o fato de ter sido degrau:


Li de um anônimo que “o verdadeiro sucesso vem através da cooperação e não da trapaça”. Isso me conforta. Mas voltando-se para eu mesma, aprendo a cada dia:


  • selecionar mais meus relacionamentos com pessoas, sejam eles pessoais e/ou profissionais. 
  • conviver com todos, mas escolher viver com poucos.
  • inspiração para a vida forever, para crescer como ser humano, ficar triste e lidar com as emoções.
  • motivação para meu livro, ideias a todo vapor.


 Nunca esqueço da frase que Dalmiro Bustos (médico psiquiatra e escritor) me disse um dia em um congresso, “O que você é sempre vai aparecer e transparecer, não adianta disfarçar”. Isso é um fato!


 Mas voltando, não estou aqui para julgar ninguém, apenas para te falar da minha experiência como degrau. Foi legal, mas não fiquei Xonada, não!

Para fechar, como dizia o mestre Mário Quintana:


A arte de viver é simplesmente a arte de conviver...simplesmente, disse eu?

Mas como é difícil!


Você que é ou já foi degrau pode ter uma tendência de em alguns momentos não sentir-se merecedor de algumas maravilhas da vida. Essas pessoas que andam sobre você podem te fazer sentir-se assim, principalmente quando você percebe e saí do papel de degrau.

O sucesso (seja ele qual for o seu) é sinônimo de competência e integridade!

Tento passar isso para as pessoas ao meu redor, quando elas se sentem não merecedoras de algo maravilhoso em suas vidas.


Como cantava minha mãe lavando a louça, enquanto eu brincava de boneca na minha infância:


Bye,Bye Jonny

Bye,Bye, Alfredo

Quem é da nossa gangue não tem medo (caso contrário tem medo).

Raul Seixas- Rua Augusta