Timidez: A vergonha ou falta de conhecimento do próprio EU

Hoje, caminhando perto de casa eu vi esse Ipê, todo lindo, florido, desabrochando, se expondo no mundo sem nem ligar para nada. Praticamente, ele estava apenas sendo o Ipê que é! Certamente ele se conhece (pensei), nada exibido, simplesmente SENDO! Foi dele que me veio a inspiração para rabiscar esse texto.

Voltei essa inspiração para dentro de mim e percebi quantas vezes eu já me embotei enquanto na verdade tinha tantas flores para desabrochar.

Vasculhando minha caixinha de memórias que é ativada ainda mais na minha própria psicoterapia eu lembrei que minha timidez começou a aparecer com meus dois aninhos e meio por motivos relevantes para mim.

Resumidamente, a minha timidez perdurou da infância até a conclusão do ensino médio. Depois, ela deu uma trégua e aos poucos eu fui experimentando outras características dentro de mim e expressando vida a fora (ainda bem).

O fato é que eu tinha vergonha de pedir pão na padaria, de levantar a mão na sala de aula na época da escola, de fazer novos amigos ou simplesmente (mas não tão simples assim) de mostrar um pouquinho de mim!





Essa fui eu durante, muitos e muitos anos: a tímida! Sorte a minha que eu tinha um primo muito sociável que me acompanhava em tudo e me abriu as portas para conhecer grandes amigos que estão na minha vida até hoje, posso dizer que eu fui uma tímida meio sociável.

Mas definitivamente, eu me sentia tímida em qualquer instante que a atenção recaía sobre mim. Naquela época, não se tinha tanto o hábito de fazer terapia, pelo menos na minha família isso nunca existiu e não era só por questão financeira é que essas coisas sempre foram administradas como besteira/bobagem e vai passar! Hoje, sabemos que psicoterapia nesse e outros casos pode ajudar a não prolongar tanto alguns sofrimentos desnecessários da vida.

Não que eu ache que todo tímido sofra, mas que o estado da timidez nos impede de agir, ahhh, ele nos impede! Pode impedir de iniciar ou continuar um diálogo com alguém legal, pode impedir de dar o primeiro passo em uma relação amorosa, pode impedir de falar em público, e principalmente: TE IMPEDE DE OLHAR PARA DENTRO DE SI!